Vizinhança nos EUA enche bairro de papais noéis negros como apoio a família vítima de racismo

Chris Kennedy usou uma rede social para compartilhar uma carta racista que tinha recebido pelo correio sugerindo que ele retirasse seu papai noel negro do jardim. Como demonstração de apoio, vizinhos passaram a encher o bairro com os bonecos infláveis também negros.

Uma família do Arkansas, nos Estados Unidos, colocou um papai noel negro na frente da casa como decoração de natal, mas teve uma resposta desagradável – uma carta anônima e racista atacando a figura de mais de 2 metros que estava no gramado.

Como forma de apoiar a família, a vizinhança se reuniu para lotar o bairro de Papais Noéis negros.

Tudo começou em setembro quando Chris Kennedy e sua filha Emily, de 4 anos, colocaram a tradicional decoração de Natal da família na frente da casa, com luzes brancas cintilantes, uma árvore de Natal inflável e um papai noel negro alto no gramado, ao lado de uma placa colorida e iluminada.

Em entrevista ao jornal “Washington Post”, Kennedy afirmou que a decoração sempre foi bem aceita no bairro e essa foi a primeira vez que a família sofreu um ataque racista. Os Kennedys moram em Lakewood, em North Little Rock, desde 2017.

A carta anônima deixada no correio da família dizia que a figura natalina era um homem branco e que fazer as crianças acreditarem que ele é negro não passa de uma ‘mentira’. O bilhete ainda sugeria que Kennedy se mudasse de bairro.

Após a mensagem, Kennedy utilizou uma rede social para mostrar a sua indignação e compartilhar com os vizinhos o que tinha acabado de acontecer. A família procurou a delegacia de polícia mais próxima e registrou uma ocorrência por crime de assédio.

Em solidariedade, os vizinhos passaram a mudar as suas decorações de natal para incluir um papai noel negro como figura principal. Gradualmente, o boneco inflável começou a pipocar nos gramados do bairro.

Segundo o “Washington Post”, a demanda está tão grande que o estoque de papais noéis negros da região está se esgotando.

Apoiado pelo bairro

Para Kennedy, a solidariedade dos vizinhos prova que ele é bem-vindo na vizinhança e que pertence ao bairro que escolheu para viver. Além da importância do ato para a sua filha. Segundo ele, a figura do Papai Noel negro surgindo no bairro passa uma ideia de pertencimento e normalidade para a pequena Emily.

O apoio transformou uma situação dolorosa e assustadora em uma demonstração clara de que o único problema do bairro é o autor da carta.

A história fez tanto sucesso que um homem de Nova York encaminhou um outro boneco inflável para Kennedy colocar na frente da sua casa.

(G1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *