Guardas florestais encontram por acaso carro batido e ajudam menino com traumatismo: ‘Salvaram a vida dele’

Bernardo Aguilar Gomes, de 4 anos, estava em um carro que capotou no domingo (6), em Jundiaí (SP). Garoto passou por cirurgia no mesmo dia. Guardas municipais que participaram do resgate fizeram uma visita no Hospital Universitário.

Um atendimento feito por acaso salvou a vida do pequeno Bernardo Aguilar Gomes, de 4 anos, que sofreu traumatismo craniano após se envolver em um acidente, em Jundiaí (SP). O pequeno acabou sendo resgatado rapidamente porque dois guardas municipais da Divisão Florestal, que estavam a caminho da base para encerrar mais um plantão, passaram pelo local momentos após a colisão.

Em entrevista, o subinspetor da Divisão Florestal, Antônio Donizeti Doná dos Santos, e o guarda municipal Rodrigo Gomes Marques contaram que no domingo (6) saíram de um dos postos da Serra do Japi e estavam seguindo em direção a base da Guarda Municipal quando decidiram mudar a rota.

Ao passar pela avenida Jundiaí, eles se depararam com o acidente. Devido à chuva, um carro deslizou na pista e bateu em uma estrutura de sinalização. Cinco pessoas estavam fora do veículo, entre elas, a criança.

Os guardas pararam a viatura e perguntaram se as vítimas precisavam de ajuda, mas elas negaram o atendimento médico. O guarda Rodrigo é formado em enfermagem e notou que Bernardo estava com um hematoma abaixo do olho.

“A criança estava com um hematoma grande na testa e no olho. Toda pessoa que sofre traumatismo craniano tem essa característica”, explica Rodrigo.

Assim que perceberam que o menino precisava de uma avaliação médica, os guardas orientaram a família e solicitaram uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que chegou de imediato ao local e levou Bernardo ao hospital São Vicente de Paulo, em Jundiaí.

“Quando chegou o Samu, ele começou a perder a consciência e o levaram ao hospital São Vicente”, afirma o guarda.

Acidente ocorreu no domingo (6), na avenida Jundiaí — Foto: Guarda Municipal/Divulgação

Para a mãe de Bernardo, Simone Aguilar Gomes, de 45 anos, foi um grande susto. Ela contou que não estava no veículo e que soube do acidente por telefone.

“Tentei me manter mais calma o possível, mas foi difícil. Um vizinho me levou, parei no local do acidente e ele já estava no hospital. Quando o médico falou que ele teve traumatismo craniano foi um choque. Ele passou por uma cirurgia que durou 1h30”, explica Simone.

Ainda de acordo com a mãe, a cirurgia foi feita no mesmo dia. A batida ocorreu no lado oposto do veículo em que Bernardo estava e as lembranças do acidente continuam na memória do pequeno.

“Ele lembra de tudo e o carro ficou destruído. Quem sofreu o pior foi o Bernardo, mas ele estava na cadeirinha. Salvaram a vida dele. O médico disse que ele teve traumatismo craniano e um coágulo na cabeça”, explica Simone.

A visita

O menino passou por cirurgia no hospital São Vicente e depois foi encaminhado ao Hospital Universitário. Depois de três dias, os guardas decidiram fazer uma visita para saber como Bernardo estava.

“Pelo fato dele estar na UTI, imaginamos que seria mais difícil. A gente soube que ele estava querendo sair do hospital, retirar o curativo e decidimos visitá-lo. Ficamos emocionados e ele disse que gosta da gente”, conta Rodrigo.

Os guardas levaram dois carrinhos de brinquedo para Bernardo. O menino comentou que gostaria de passear na viatura da Guarda Municipal e os agentes prometeram um passeio assim que ele se recuperar.

“Será uma lembrança boa e positiva. Ele ganhou mais uma família e vamos acompanhar ele sempre”, conta o subinspetor Antônio

De acordo com Simone, Bernardo recebeu alta na quinta-feira (9) e está se recuperando bem. A visita dos guardas foi uma surpresa para o filho, que já estava ficando incomodado em estar parado.

“Foi a alegria dele, ele ficou feliz e agradeceu. Se não, fossem eles, ia demorar mais ainda o atendimento. O socorro foi muito rápido. O médico disse que isso foi crucial”, lembra Simone.

Visita dos guardas municipais de Jundiaí ocorreu na quarta-feira (9) — Foto: Arquivo Pessoal/Simone Aguilar Gomes

O subinspetor da Divisão Florestal, Antônio Donizeti Doná dos Santos, também aproveitou para fazer um alerta em casos de acidentes, pois, em situações como essa é necessária uma avaliação médica.

“Tem que ter um cuidado principalmente com crianças porque não sabem expressar o que estão sentindo. A gente preza muito pelo atendimento humanizado, independente do que esteja acontecendo”, explica Doná.

(G1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *